Páginas

terça-feira, 5 de maio de 2009

Para o seu Conhecimento


Esse é um recadinho para você: adoro receber um alô. Curto, longo, escrito, por telefone, pessoalmente, no Orkut, e-mail, seja como for. O que importa é a lembrança. O resto não tem importância. Deleta.
Agora para o seu conhecimento: estou bem e feliz. Hoje farei a minha última sessão de quimioterapia. Nem acredito. Chegar firme e forte até aqui. Parece milagre. Claro que ter senso de humor foi necessário. Mas também quem aguenta pessoas pesadas no entorno? E quem suporta ficar deprimida o tempo todo? Eu? Falta-me talento e paciência para isto. E o principal, no meu poço tem mola.
Só sei que entre mortos e feridos me salvei. Hahahaha. A que custo? Esse é um segredo bem guardado que não contarei agora. Não. Tenho outros planos para o momento. Abrir-me para acolher o melhor é o mais simples deles.
Por enquanto, posso lhe assegurar, pretendo dar um tempo e esquecer um pouco essa travessia.
Aliás, na verdade, tão logo eu esteja distante desses eventos tão críticos; e ao mesmo tempo tão ricos, sinto que terei condições suficientes para fazer um verdadeiro balanço de toda esta vivência.
Tenho para mim que aí sim poderei avaliar de forma sensata quais as lições que levarei adiante e quais poderão me servir de lembrete ou de aprendizado. Já sei de antemão que precisarei rever conceitos, atitudes e diretrizes. Caminhos e escolhas. Mas, no momento, a ordem do dia é viver o que está aí. O que não é pouco de jeito nenhum.
Até começo de agosto terei vencido outra etapa. A da radioterapia. Serão 33 sessões. E ponto final.
O futuro? Ah! Está logo ali sorridente a minha espera.
Mais na frente, num dia qualquer, escreverei sobre toda essa experiência. Sim, senhor, pode me cobrar. Escrito por Anitha em 06.05.09

segunda-feira, 4 de maio de 2009

Em Construção


Enquanto isso, com a sensibilidade à flor da pele, estou me desconstruindo. Sem pudor, sem medo e em profundidade. Retiro as minhas máscaras. Fico em carne viva.
Meu Deus! A verdade é que isso dói pra burro e é muito incômodo!!! Mas é preciso. Sinto que chegou a hora.
Quero e busco os meus porquês, sentidos e limites. Vou elaborando as vitórias, acertos, dores e perdas. E me permito, de forma muito particular, nesse hiato entre ser e não ser, me aceitar como uma pessoa em construção.
Estou frágil. Absolutamente frágil, como é de se esperar de quem está sem alicerces firmes a lhe sustentar.
Mas tenho fé que, através deste processo doloroso, absolutamente só, intenso e consciente que ora estou envolvida, deixarei para trás tudo aquilo que não vale a pena e não tem mais significado para mim e para a minha vida e que, por isso mesmo, de uma forma ou de outra, faz anoitecer e sangrar a minha alma; para iluminada, esclarecida, leve e inteira seguir em frente como Anitha plena, verdadeira, feliz e em paz! Escrito por Anitha em 14/03/08